Notícias & Recortes:

-13/06/2017 - H
Ana Isabel Silva vence PRÉMIO LITERÁRIO “ELA 2017” »»»ver mais

- 27/01/2016 - 21H
Apresentação do livro "Contos ASSESTA", na Biblioteca Municipal de Ourique - Jorge Sampaio. »»»ver mais

-23/01/2016 - 16H
Apresentação pública da ASSESTA, na Biblioteca Municipal de Beja - José Saramago. »»»ver mais

-23/01/2016 - 14H
Assembleia geral da ASSESTA, na Casa da Cultura de Beja (sede).

-23/01/2016 - 10H
Programa "Conversas de Café", na Singafm (104.5FM), dedicado à ASSESTA.



Agenda:

-21 de abril de 2017 - H
Apresentação pública do regulamento do Prémio Literário Joaquim Mestre.

-20 a 22 de abril de 2017 - H
Feira do livro de Cuba, pavilhão de exposições.

- Dia 20 de abril, 14:30 – Aconteceu na igreja do Espírito Santo – Maria Ana Ameixa.

- Dia 22 de abril, 15:00 – apresentação da ASSESTA e tertúlia temática: o associativismo e a literatura – José Teles Lacerda, Luís Miguel Ricardo e Maria Ana Ameixa.

Exposição de livros de autores ASSESTA durante o certame literário.

-2 e 3 de junho de 2017 - H
ELA-Encontros Literários do Alentejo, São Teotónio

 


Os Nossos Escritores

José Teles Lacerda

 

Nasceu em 1970, em Évora.

Viveu a infância e a juventude na vila de Vimieiro, concelho de Arraiolos.

Em 1998 fixou residência na vila de Alcáçovas.

No ano de 2012 publicou o seu romance de estreia intitulado A Vingança das Vagas (Esfera do Caos Editores).

Posteriormente, publicou os contos:

  • Terno Tesouro, incluído na coletânea Contos do Caneco (ADMIRA – 2013);
  • Entre o Sado e a Solidão, incluído na coletânea Stories do Alentejo (Lugar da Palavra Editora - 2013)
  • A ilustre luta dos leitores de pensamentos, incluído na coletânea Contos Assesta – Alentejo (ASSESTA –Associação de Escritores do Alentejo – 2015).

Bibliografia:

 

A Vingança das Vagas

No longínquo ano de 1506, trinta e sete colonos moribundos foram forçados à desesperada tentativa de povoar uma ilha amaldiçoada.

Dizia-se, nessa época, que naquele gigantesco amontoado de ravinas negras vogava a voz do Diabo.

Quinhentos anos passados, não existem documentos que descrevam o sinistro martírio coletivo, na tentativa de povoamento dessa ilha maldita.

Aliás, em nenhuma biblioteca do mundo se descobriu uma única página contendo alusões ao sucedido.

Em suma, ninguém conhece a verdadeira localização da maligna massa insular, para sempre perdida no meio do oceano.

Durante os serões, o avô Vicente alerta Bernardino Gávea para os perigos inerentes à convivência com a violência das vagas.

Fascinado pelas narrativas náuticas, que o septuagenário lhe transmite, o menino sonha ser um intrépido conquistador dos mares — há de conseguir, afinal, reencontrar a ilha que o medo humano apagou dos mapas.


(Esfera do Caos 2012 )